terça-feira, 30 de dezembro de 2014

VEREADOR PRESTA HOMENAGEM A SOCIALISTAS HISTÓRICOS

“Erciria do Espirito Santo e Luizinho Machado são construtores de uma sociedade mais justa e fraterna”
O gabinete do vereador Jair Wingert (PSB) em uma de suas últimas ações do ano de 2014 buscou resgatar e homenagear dois socialistas históricos do PSB campo-bonense trata-se de Erciria José do Espirito Santo, uma das fundadoras do Partido Socialista Brasileiro de Campo Bom e o sapateiro aposentado e líder sindical Luiz Carlos Machado “seu Luizinho” como é conhecido carinhosamente. Juntamente com o assessor parlamentar Claudio Cunha, o vereador  visitou  tanto dona Erciria como  seu Luizinho e num momento  marcado pela emoção, o socialista entregou  a  dona  Erciria um quadro com a foto do filho João Batista do Espirito Santo também um dos fundadores do PSB e um incansável batalhador pela construção de uma sociedade mais justa e fraterna. Batista faleceu recentemente vítima de acidente vascular cerebral, mas deixou um legado de ética e esforço em defesa do socialismo democrático. Ele sonhava  uma Campo Bom para todos. Moradora da Rua Uruguaiana, aquela senhora já idosa, cabelos brancos brilha os olhos ao falar no PSB e dentro de sua simplicidade e humildade, lembra da dedicação do filho; Batista .

Erciria e Luizinho: o sonho de uma Campo Bom para todos não acabou

Emocionada a socialista agradeceu o presente e ainda lembrou que a foto tirada aconteceu no gabinete itinerante no centro de Campo Bom,  na Praça João Blos por ocasião do Dia Internacional da Mulher. O vereador Jair Wingert distribuiu mudas de flores com um cartãozinho alertando para a importância da prevenção  do câncer de mama.  “A gente deve  homenagear as pessoas enquanto elas estão conosco. Graças a Deus em três discursos no comitê do PSB e um na Câmara de Vereadores pude pessoalmente  destacar ao Batista a importância dele na fundação do PSB, tanto dele como da professora Maria do Carmo, da professora Teresa da Luz Nascimento, Luís do Parcão, Naldo e Maria Carvalho; verdadeiros heróis. Mas o Batista era guerreiro e no peito como diz a canção, no peito ao invés de medalhas , cicatrizes de batalhas foi o que sobrou para ele. O Batista tinha o ombro calejado de carregar bandeiras, mas infelizmente não teve o reconhecimento que deveria ter”, destaca Wingert que segue sua analise “Agora  estou diante  da dona Erciria e olhando nos olhos dela posso dizer o quanto ela é importante para o PSB e para minha história, porque nós  estamos vereador devido  a um sonho que ela ajudou embalar e construir”,  argumenta o vereador com lágrimas nos olhos e ainda  prossegue sua  enfase. Recordo-me que na Praça João Blos, o Batista me disse, olha vereador vou levar esta mudinha para a dona Erciria plantar e subiu a Avenida Brasil e ali na praça  eu fiquei contemplando e afirmei ao Cunha e aos demais companheiros, ali vai o meu partido apontando para o Batista.  Na sequencia o vereador esteve na residência de Luiz Carlos Machado; o Luizinho do Sindicato que é morador da Padre Júlio. E novamente um quadro  de uma foto do vereador com  seu Luizinho na Praça João Blos  foi entregue ao  líder sindical como forma de agradecimento  pela história de amor ao PSB. Jair Wingert salientou “Sou suspeito a falar do seu Luizinho que é cria lá de Santana do Livramento, porque sou fã dele. É um homem sério, de bem e se o Luizinho disse pode ter certeza que  é verdade. È daqueles homens antigos que honram a palavra e fio do bigode. Sou muito grato por tudo que o Luizinho fez na minha campanha. Além de um grande articulador, seu Luizinho é um sábio e de conselhos certos na hora certa. O mundo precisa de pessoas como seu Luizinho e a dona Erciria”, finaliza o vereador Jair Wingert  emocionado.

segunda-feira, 15 de dezembro de 2014

A HISTÓRIA ESTUPRADA DO BRASIL

Só mesmo um bicho do mato criado pelas macegas pode tratar como égua quem nos dá vida e amor. Decerto é um desses cueras, criado pelas barrancas, Manunciador de potrancas, Sem freio no linguajar. Não aprendeu que um gaúcho, Não faz da prenda um capacho, E que os deveres de um macho, É proteger e amar. Morocha não, respeito sim, mulher é tudo, vida e amor, Quem não gostar que fique assim, grosso, machista e barranqueador” - Leia o texto abaixo de autoria de Valdson Almeida e analise... Jair Wingert; jornalista revoltado com os canalhas e cinicos (e tem tantos em tantos lugares que me tapo de nojo).

Este texto nos convida a uma ampla reflexão. O caso do escroto pseudo deputado Bolsonaro que de bom só tem o primeiro nome (he,he,he), pois é restolho da ditadura; um faxista de marca maior que não vale a comida que come, pois o tal “deputado” (não sei como é que alguém consegue votar num escremento destes???) ao dizer que não estupraria a deputada GAÚCHA, Mária do Rosário porque ela não merecia. E olha que a Maria do Rosário não é do meu partido e nem simpatizo com com suas ações politicas, mas espere ai, onde esta o respeito? Onde está a ética? A Câmara dos Deputados precisa cassar o madato desta ameba chamada Bolsonaro. O Leonardo, um dos maiores cantores e poetas do Rio Grande do Sul escreveu uma canção em respostas a Morocha do Davi Menezes Junior e a letra diz mais ou menos assim: “

A HISTÓRIA ESTUPRADA DO BRASIL

Corre mata adentro, cansada, ofegante, vencida.
É o bandeirante desbravador estuprando a índia. E é ela a selvagem, claro!
Tapa a boca, escraviza a alma. Chora, vendida.
É o senhor da casa grande, proprietário de carne, estuprando a negra na senzala. E é ela a escória, claro!
É o militar patriota estuprando a comunista subversiva nos porões da ditadura. E é ela a ameaça ao país, claro!
É o policial vestido de hipocrisia que atende a mulher violentada agora a pouco, perguntando que roupa ela usava na hora do ocorrido. E é ela que se veste errado, claro!
É o pai de família que faz sexo com a esposa indisposta. Mas isso não é estupro, é só sexo sem consentimento mútuo, claro!
É o macho alfa que estupra corretivamente a lésbica "mal comida". E é ela a doente que precisa de cura, claro!
É o aluno de medicina, estudante da “melhor universidade da América latina”, que estupra a caloura bêbada. E é a denúncia dela que mancha o nome da Universidade, claro!
É o político defensor dos “bons costumes” que só não estupra a deputada porque ela 'não merece'. Ufa, pelo menos alguém sensato nessa história violentada do Brasil.


*Valdson Almeida

segunda-feira, 8 de dezembro de 2014

A FLAUTA

O campeonato brasileiro está encerrado, venceu a equipe mais competitiva e a mais disciplinada taticamente. O Cruzeiro com uma equipe sem medalhões, mas com padrão de jogo definido e com um grupo parelho, inclusive com um banco de nível que não destoava quando Marcelo Oliveira efetuava substituições. Venceu o mais equilibrado. No Rio Grande do Sul novamente pela má gestão tanto de Inter quanto Grêmio restou para o nosso bairrismo exacerbado a disputa de vaga na Libertadores e o gauchão. Nada contra o gauchão, porque pior que vencer a competição é perdê-la, mas convenhamos é muito pouco para a grandeza destes dois grandes clubes gaúchos. Tenho inúmeros amigos gremistas e os respeito e a reciproca é verdadeira, apesar de muitos destes não perdoarem os tropeços do colorado. Alguns mandam mensagem tipo; “Olha o Celso Juarez está desempregado” coisas do tipo. Mas sou sincero desde 2008 procuro não tocar flauta no nossos adversários, por que? Explico, um belo dia amanheceu e havia grenal. Como de costume nos preparamos pois o Gigante nos esperava para começar a festa. No caminho adentramos na Padre Cacique e os guris vendiam bandeiras, camisetas e flâmulas do Clube do Povo, mais adiante uma senhora oferecia uma bandeira com a frase -Campeão de tudo! Um jovem ofertava por dez reais um poster de 2006 – numa bela sessão nostalgia onde havia os dizeres – Campeão do Mundo Fifa. Entramos no estádio e para minha supresa havia 10 mil torcedores tricolores como nos velhos tempos. Entramos naquela festa ao ritmo da Guarda Popular “Inter estaremos contigo.... Tu és minha paixão....” “ O guaraná na mão (não bebo).... E de repente começa a tradicional “Ola” seguida do Vamo, vamo Inteeeer” O Gigante estava rugindo e a cada tentativa de grito de guerra do outro lado era abafado pela maré vermelha com “Ão, Ão,Ão segunda divisão”. Tudo saudável, sem brigas. No pátio do Gigante vislumbrei uma cena poética, demonstração de civilidade a toda prova, uma família, pai e duas filhas; vestidos os três com a camisa colorada, a mãe e um menino vestidos com a camisa do Grêmio se separaram. Cada grupo seguiu para sua torcida, aliás, colorados e gremistas caminhavam juntos de forma amistosa como no passado, quando o que existia de mais agressivo eram os temidos sacos de mijo “Senta, olha o mijo” Lembra? Acomodado embaixo da marquise que existia na época – A maior torcida do Rio Grande no anel superior, sintonizei o Nando Gross e ouvia atentamente o mais lúcido comentarista do Rio Grande do Sul que fazia uma analise do clássico grenal. Mas para meu desespero quando o nosso adversário entrou em campo, lá estava no gol Manga, na lateral direita, Claudio Duarte e a dupla de área, sabe quem? Figueroa e Indio.Na lateral esquerda Claudio Mineiro. Não pode ser. O sofrimento continuava, meio campo com Falcão, aquilo doeu o coração e lágrimas brotaram dos olhos deste morugavense adotado por Campo Bom aos 4 anos de idade. Além de Falcão aquele mercenário, Paulo César Carpegiani e ai foi demais, D`Alessandro com a 10. O Dale nos traiu. No ataque com a 7 Valdomiro e Fernandão, por favor o que está acontecendo? E na ponta esquerda Lula. Quando o auto-falante anunciou o banco fiquei mais apavorado – Goleiro reserva – Benitez e ainda tinha, Luis Carlos Winck, Gamarra, Rodrigues Neto, Iarlei, Batista, Jair, Rubem Paz, Marinho Perez, Fabiano Eller, Bolivar, Fabiano Cachaça, Nilmar e com a 14 sabe quem? Escurinho que ainda de forma provocativa saiu da casa mata e olhou para nós e sorriu, tipo: “Aos 30 minutos vou entrar e marcar um golzinho, pode ser aos 44 minutos, mas vou....” Minha angustia se acentuou ao ver que o técnico do nosso rival era Abel Braga e o preparador físico Gilberto Timm e o auxiliar do Abelão, sabe quem? Otácilio Gonçalves “Chapinha” Não pode ser... Não, não, não, não.... Acordei sobressaltado com a minha esposa Lídia apavorada perguntando o que estava acontecendo. Suando frio, olhos arregalados, olhei a minha eterna namorada e apenas balbuciei: “Foi um pesadelo. Um filme de terror que vivi, mas passou. Foi só um pesadelo” Desde este dia nunca mais toquei flauta nos gremistas, porque senti na pele o que eles de forma epidérmica e visceral vivenciaram e continuaram a vivenciar.

quarta-feira, 26 de novembro de 2014

UM PAPA EM MORUNGAVA

E o pior é que tem gente que não acredita quando escrevo sobre Morungava... Estou quase desistindo... Já escrevi de uma festa que fizemos no Morungava lembra?  Na verdade não foi uma festa grande, digamos que foi uma festinha, coisa pequena, para comemorar a vitória do Olívio Dutra (o galo Missioneiro), em 1998 a gente preparou algo bem simples. Foram mais ou menos 20 bois, 14 ovelhas e 350 galinhas.  A churrasqueira foi aberta de retro-escavadeira e tinha 540 metros de comprimento, dois e meio de altura por dois de largura. Como era uma quantidade razoável de carne tivemos dificuldades em espetos, aí surgiu à idéia: derrubamos um capãozinho de camboim, onde depois a Prefeitura construiu cerca de 180 casas populares, mas que fique claro reflorestamos em outra área depois.  Outro problema foi salgar esta quantidade de carne, mas como morungavense não se aperta, compramos todo sal de Gravataí, Cachoerinha, Alvorada, Glorinha e Taquara.  E salgar tudo isto? Foi ai que tio Dino teve a idéia, falou com o Loth que tinha um avião agrícola, colocaram a salmoura e os temperos no tanque e o avião sobrevoa a churrasqueira e em rasantes pulverizou tudo. A festa durou três dias, culminando com um baile no Salão do Anselmo que reuniu tanta gente que a orquestra teve que tocar pelo lado de fora do salão. Sabe aqueles janelões de madeira com tampões? Pois é os músicos abriram e colocaram os instrumentos por ali para animar o baile. O salão lotou tanto que um velho lá do Vira Machado dançando no meio do salão teve um piripaque e morreu, isto por volta das 4 horas da madrugada, mas o corpo só caiu por volta das 6 horas da manhã quando o salão esvaziou.  Ah é bom lembrar que em Morungava antigamente dava muitas brigas nos bailes, inclusive tinha uma placa bem no palco em letras garrafais onde se lia: “Proibido atirar nos músicos”  E para completar a introdução, o valo onde foi feita a churrasqueira encheu de sal e tempero, depois choveu se transformando num Pesque e Pague e por causa do sal tem até peixe do mar! Pois lá em Morungava teve uma época que tio Dino atuou como taxista, sendo que o ponto ficava ali na faixa perto do Bar e Restaurante do “Antonio “Porão” (Pohren). O táxi era um Opalão cor de vinho, quatro portas. Corria o ano de 1978 e descobriu-se que de forma secreta o Papa João Paulo II ou Karol Józef Wojtyła que estava no Estado viria a Morungava visitar um parente seu, o polaco Augusto como conhecíamos. Segundo falava-se o  polaco  era primo do Papa e vivia no sopé do Morro do Itacolomi onde plantava bananas, bergamotas, produzia mel e queijos finos que eram vendidos em um hotel famoso da capital.  O bispo articulou para que o Papa fosse levado escondido a Morungava e tio Dino teve a incumbência. Naquele dia  lavou o carro e até aquele cheirinho que comprava no Posto de Gasolina  do Almiro ele colocou.  O vigário de Roma chegou ao sitio de seu parente por volta das 10 da manhã, depois almoçou e solicitou que tio Dino o levasse até Porto Alegre, mas alertou num português meio atrapalhado “Vaaaamossss paaara Pooorto Alegreee... Beeeemmmm raaaapiiiido, porqueee estooou atraaasadoooo. Deeixa que eu voou dirigiinnndoooo...”. Tio Dino relutou, mas uma ordem do Papa deve ser cumprida. O velho Dino passou para o banco de trás e o Papa assumiu a direção. Atrasado o vigário de Roma “carcou a muzanga”, “sentou o sarrafo” e o Opalão seguiu em direção a Porto Alegre bem ao estilo do Ayrton Senna, só que mais adiante próximo do Pampa Safari havia uma barreira da Policia Rodoviária que interceptou o táxi. O policial ao verificar o motorista ficou assustado e foi até o rádio e pediu orientação: “Atenção base, copiando QSV... Parei um Opala que estava a 150 por hora, o que faço?”. Do outro lado o superior disse: “Cumpre a lei soldado, multa por excesso de velocidade, entendido?”perguntou e do outro  lado do rádio o soldado afirmou: “Chefe é que é gente importante que vem dentro do carro... Para o senhor ter uma idéia, talvez possa pensar que estou louco ou que bebi, mas chefe é gente muito importante que vem dentro do táxi porque o motorista desta pessoa para ter uma idéia é o Papa”. Se eu conto ninguém acredita. Tem que ter concurso -  100% Morungava -

quinta-feira, 13 de novembro de 2014

JAIR WINGERT GARANTE: "UMA VITÓRIA DA VIDA"

Vereador Jair Wingert é  batalhador pela saúde da mulher especialmente no que refere a programas públicos de prevenção ao câncer.
Pela nova Lei SUS deverá fornecer perucas a pacientes submetidas a quimioterapia.
A Assembleia Legislativa rejeitou, na sessão plenária desta terça-feira (11), com 47 votos contrários e dois favoráveis, o veto total do governo do Estado (VT 165 2012) ao projeto de Lei 165/2012 da deputada Marisa Formolo (PT), aprovado pelo Legislativo em agosto passado, que visa a destinação, através do SUS, de perucas a pessoas com alopecia provocada pela aplicação de quimioterapia, como forma de recuperar a autoestima e fortalecer o paciente no tratamento e enfrentamento de câncer.A matéria, embora o reconhecimento governamental de seu mérito, foi vetada sob a justificativa de inconstitucionalidade. “Como se apresenta, a proposta direciona ao SUS uma responsabilidade que sequer temos o conhecimento de que o Sistema poderá suportar, pois depende de uma política pública específica – a Saúde – sem possuir qualquer estudo acerca do aporte financeiro necessário para que se possa  viabilizar o fornecimento  desses objetos, em que pese esta Administração entenda e acredite que esta ferramenta possa ser um instrumento muito útil para minimizar as fortes consequências de um tratamento quimioterápico”, frisa a justificativa para o veto. Durante o encaminhamento da votação, a deputada Marisa Formolo usou da tribuna para defender a derrubada do veto, que foi aposto ao projeto pelo governador em exercício, desembargador José Aquino Flôres de Camargo, que substituía o governador Tarso Genro, licenciado à época, o qual, segundo a parlamentar, não teria vetado a matéria.
Vereador campo-bonense encaminhou Moção de Apoio ao projeto  165/12
O vereador Jair Wingert de Campo Bom está comemorando e exultante  com a derrubada do veto ao projeto da deputada Marisa Formolo (PT), ou seja, agora é Lei no Rio Grande do Sul e todas as mulheres que estiver realizando quimioterapia em função do tratamento do câncer poderá se beneficiar desta Lei que garante perucas a estas pacientes. O argumento do parlamentar que  encaminhou via a Câmara de Vereadores de Campo Bom uma Moção de Apoio ao projeto ( a Moção foi aprovada por unanimidade no Legislativo campo-bonense)  “As pessoas que se submetem ao tratamento de câncer podem ter queda de cabelo e, com isso, afastarem-se do convício social, por vergonha, baixa autoestima e até depressão. Como na aplicação intravenosa da quimioterapia, a reação é frequente, a doação de peruca ajuda a aumentar o bem-estar do paciente. O cabelo é um ícone da identidade, especialmente da mulher e, com a perda dele, as pacientes passam a ter dificuldades de se inserirem na vida social. Por isso reconstituir a imagem é fundamental durante o tratamento de quem já está fragilizado pela doença.", destaca Jair Wingert que é um defensor de programas preventivos destinados a saúde da mulher com ênfase ao câncer de mama e de colo do útero.                 
*Pela proposta, o acessório deve ser fornecido aos usuários e usuárias do SUS, mas a ideia é que as instituições de saúde ligadas a esse sistema captem doações para a implantação de um banco de perucas, para posterior distribuição aos pacientes.

segunda-feira, 10 de novembro de 2014

VEREADOR JAIR FAZ AÇÃO NO JARDIM DO SOL

Muito lixo foi recolhido pelo vereador Jair Wingert e sua equipe no Jardim do Sol.
Limpeza de uma área pública, recolhimento do lixo e plantio de árvores no domingo pela manhã.
Na manhã deste domingo (09.11), o gabinete do vereador Jair Wingert  realizou uma ampla ação junto a área entre as ruas – Arnildo Schmidt e Senador Teotônio Villela no  bairro Jardim do Sol mais precisamente junto a uma área onde existe o Campinho de Futebol (que um dia já foi de areia). O vereador Jair Wingert acompanhado pela esposa Lídia e pela filha Larissa e mais Cláudio Cunha (assessor parlamentar) e sua esposa Élina literalmente colocaram a mão na massa. Munidos de sacos para lixo o grupo a partir das 8h e 30minutos arrecadou sacos plásticos, colchões, pneus, sofás, armários e até lixo industrial. Foram mais de 20 sacos de 100 litros contendo toda espécie de resíduos que é descartado no local que é um lindo recanto da natureza. O vereador salienta que a ideia  surgiu a partir de uma análise com relação a questão ambiental. “Estivemos na Secretaria de Obras onde explanamos ao secretário Nirio, que, aliás, realiza um excelente trabalho, pois é um técnico e trata a todos com respeito, independente do partido”, argumenta Wingert que ainda destaca: “Comunicamos ao secretário desta ação e o mesmo classificou de importante e positiva. Deixamos parte do lixo amontado no passeio público da Arnildo Schmidt e um pouco no trilho ao lado da antiga sede do Schmidt Irmãos. Este lixo armazenado deverá ser recolhido pela Prefeitura ainda esta semana”, observa Jair Wingert.

“O povo precisa de educação e consciência ambiental”
O vereador  se mostrou assustado com o que encontrou no local e sobretudo ficou estarrecido  com o que classificou de falta de educação da pessoas e desrespeito ao meio ambiente. “Olha havia muitas sacolas, remédios vencidos, dezenas de caixas de viagra, preservativos ainda sem uso; provavelmente vindos do Posto de Saúde, sem contar no volume de resíduos industriais que foi descartado ali nesta área pública que é de todos nós. Mas o que mais me apavorou foram os móveis, e em especial uma sacola que continha o corpo de um cachorro de médio porte já em estado de decomposição. Um fedor insuportável.”, argumenta Wingert que segue suas lamentações: “Que tipo de gente é esta que não consegue sequer enterrar um animal? Quem é o animal nesta história?”, pergunta o vereador “Infelizmente ainda tem muita gente sem educação e consciência ambiental. Campo Bom possui programas de meio ambiente e se alguém tem um móvel, um eletrodoméstico existe o Caco-Treco que  busca na frente da casa, que necessidade as pessoas tem de sujar as áreas públicas?” pergunta o vereador.

“Fiz a minha parte como cidadão”
Depois de três horas de muita transpiração, a equipe  do Gabinete do vereador Jair Wingert passou para a última ação que foi justamente o plantio de cinco mudas de ipê amarelo que foram plantados ao lado do passeio público da Rua Arnildo Schmidt ao lado do Campinho. “Estas mudas de árvores representam um ato simbólico de dizer que devemos ter ações ambientais que ajudem a diminuir o calor em nossa cidade, criando um micro clima e dando sombra dentro de pouco tempo a quem utiliza o espaço de lazer”, enfatiza Jair Wingert que ainda observa: “O Campinho carece de  reformas e aproveito para solicitar ao prefeito Faisal que destine umas duas cargas de areia neste local. A garotada que ali prática esportes deseja que no Campinho seja colocado areia como antigamente. Hoje arbustos e grama tomaram conta do  local. Uma boa roçada ao redor da área seria excelente. Este local é um sonho antigo da comunidade que seja construído churrasqueiras, bancos, uma cancha de bocha e iluminação no Campinho tornando a área um espaço de cidadania e lazer”,  fala Wingert que encerra agradecendo“. Agradeço minha família e a família do Cunha nosso amigo e colaborador pelo trabalho conjunto que realizamos. Não executamos esta ação só como vereador, porque nem é função do vereador tal ação, mas como vivo no Jardim do Sol resolvi fazer algo pela  comunidade na qual estou inserido e foi gratificante. Peço que a comunidade ajude a fiscalizar e cuidar deste espaço que é nosso”, finaliza o vereador Jair Wingert.
 Jair Wingert e seu assessor Claudio Cunha plantaram cinco ipês amarelos ao lado do Campinho do Jardim do Sol.

quinta-feira, 6 de novembro de 2014

VEREADOR JAIR WINGERT ENGAJADO NA CAMPANHA CONTRA O CÂNCER DE PROSTATA

A ideia do Novembro Azul é desmistificar a doença, que, segundo o Instituto Nacional do Câncer (INCA), acomete um a cada seis homens no Brasil. As estimativas mostram que 69 mil novos casos deverão ser diagnosticados somente em 2014 no país, um a cada 7,6 minutos. E o pior é que cerca de 13 mil brasileiros vão morrer em decorrência da doença, o que significa um óbito a cada 40 minutos. Depois do aparecimento dos sintomas, mais de 95% dos casos de câncer de próstata já se encontram em fase avançada. Daí a importância da realização do exame regular através do toque retal e do PSA, orienta o presidente da SBU, Carlos Corradi Fonseca. De acordo com ele, o câncer de próstata rouba do homem 7,3 anos de vida na comparação com as mulheres e isso ocorre porque eles não se cuidam. “Pessoas do sexo masculino não costumam ir ao médico porque acham que são super-homens, e o câncer de próstata, quando não é detectado no início, raramente tem cura”, sustenta. O urologista recomenda que, a partir de 50 anos, todo homem deve fazer o exame periódico. Se houver histórico familiar e se a pessoa for negra ou obesa, a recomendação é procurar um urologista a partir dos 45 anos. Fonseca alerta que o câncer de próstata é assintomático em sua fase inicial. “O exame de toque e o PSA, feito por meio da coleta de sangue, detectam a maior parte dos tumores em fase inicial, e, nesses casos, as chances de cura são de 90%”, avisa. Segundo ele, os tumores variam entre os pouco, os medianos e os muito agressivos. “No caso de ser diagnosticado um câncer pouco agressivo, é possível pensar num tratamento inicial a partir de uma observação vigilante. Se ele é médio ou muito agressivo, o tratamento deve ser iniciado logo que é dado o diagnóstico, principalmente com cirurgia ou radioterapia”, explica. A cirurgia, assegura, é o tratamento com maior índice de cura. Quando a doença se espalha, a saída é a hormonoterapia, por meio da qual a produção de testosterona no organismo é inibida, mas isso só ocorre nas fases mais avançadas. Para o professor da Faculdade de Medicina da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) e urologista do Instituto Biocor, Daniel Xavier Lima, a boa notícia é que muitos tabus já caíram no que se refere à disposição dos homens de enfrentarem seus medos e preconceitos quanto ao exame de toque, essencial para o diagnóstico da doença. “O que existe, ainda, são informações desencontradas”, garante. De acordo com ele, um estudo norte-americano sustentou que não houve redução da mortalidade por câncer de próstata em função do rastreamento. “Trata-se de um estudo isolado que, infelizmente, teve muita repercussão porque muitos médicos generalistas interpretaram que não seria mais preciso fazer os exames”, explica. Por causa disso, o próprio Ministério da Saúde retirou o exame de próstata da rotina obrigatória. Assim, a dificuldade de conscientizar as pessoas aumentou, principalmente na rede pública, onde o paciente é, em geral, menos esclarecido (ou recebe menos esclarecimentos). “Leciono no Hospital das Clínicas e observo que os pacientes já não estão sendo encaminhados para o rastreamento. Isso vai levar, daqui a alguns anos, a um aumento no número de tumores avançados”, garante Lima. De acordo com ele, o rastreamento é responsável por 40% da redução das mortes por câncer de próstata de 1990 para cá. “Esse procedimento ficou mais popularizado a partir de meados da década de 90, com a realização do PSA e do toque. Nada pode justificar essa redução na procura a não ser a sua diminuição, até porque o número de diagnósticos aumentou”, alerta. Bruno Ferrari, oncologista e presidente do conselho administrativo da rede Oncoclínicas do Brasil, chama atenção para outro problema: o câncer de próstata não acomete apenas os idosos, mas é a partir dos 50 anos que sua frequência começa a aumentar. Depois da cirurgia, as duas maiores sequelas, segundo ele, são a incontinência urinária e a disfunção erétil. Ambas têm tratamento e podem ser revertidas. “São essas duas coisas que afastam o homem do diagnóstico. Mas é preciso lembrar que, quanto mais precoce é o tratamento, menos mutilante ele é.” A campanha Novembro Azul é realizada há cinco anos e, de lá para cá, de acordo com o oncologista, houve um pequeno aumento no número de diagnósticos precoces. “Precisamos envolver toda a sociedade, e não apenas os médicos. A gente vê poucos casos sobre a doença na mídia. As celebridades não aparecem morrendo de câncer de próstata”, lembra.

Fisioterapia
Para ajudar os pacientes na recuperação durante o pós-operatório, uma das recomendações é a fisioterapia para disfunções do assoalho pélvico. De acordo com a fisioterapeuta Maria Cristina da Cruz, responsável pelo serviço no Hospital ds Clínicas, o tratamento consiste em educar o paciente sobre a forma como o corpo vai funcionar depois da cirurgia e sobre qual será o seu papel em sua própria recuperação.  Ela chama a atenção para o fato de que o tratamento difere de pessoa para pessoa. “Não adianta fazer exercícios genéricos. Para haver resultado, as contrações devem ser adequadas e os exercícios, específicos para cada caso”, lembra. De acordo com ela, além de tomar consciência da própria musculatura e de fazer os exercícios, alguns homens precisam passar pela eletroestimulação e biofeedback, que permite ao paciente visualizar a qualidade das contrações.

Não adianta fugir
Entre 10% e 20% dos casos não são detectados pela dosagem de PSA no sangue. O exame de toque e o PSA são complementares * Fatores de risco: idade, histórico familiar, raça (maior incidência em negros), alimentação inadequada, sedentarismo, obesidade * Prevenção: não é possível evitar a doença. Mas pode-se diagnosticá-la precocemente, quando as chances de cura são de cerca de 90%.

Fonte: Instituto Lado a Lado pela Vida